Perdendo tempo nas gasolineiras

Pre-pagamento no posto Galp Energia por @RitaMarrafadeC

Pré-pagamento no posto Galp Energia @RitaMarrafadeC

Já aqui me tinha queixado que quando abasteço de mota o mais provável é ter de andar para trás e para diante no posto de abastecimento. Já sabiamos que exigem pré-pagamento aos motociclos, mas algumas bombas de gasolina obrigam também outros condutores a pagar antes de receber o produto.

A @RitaMarrafadeC apresentou no Twitter a versão dela, mas com um detalhe engraçado que eu já sabia e ainda não tinha referido. O pagamento é feito contra um papel que duvido muito sirva para alguma coisa, como podem ver na imagem e como ela própria o refere:

Feito o pagamento, isto é o que entregam na caixa da GALP. Tenho de voltar à caixa depois de abastecer. É surreal!!

Aqui  não me parece que se apliquem quaisquer das leis indicadas pela Liliana A. nos comentários ao post.

Por falta de apoio policial ou tática para nos obrigar a entrar na loja na esperança que façamos uma compra por impulso daquelas coisas que lá são vendidas a preços pouco convidativos, os postos de abastecimento não estão a olhar a meios para obter os seus fins. O nosso tempo serão danos colaterais.

Tags:

{ 2 comments to read ... please submit one more! }

  1. As indicações legais que deixei podem ser utilizadas nas bombas de gasolina que discriminam os automóveis dos moticiclos, em que os primeiros podem abastecer antes de pagar enquanto que os segundos são obrigados a deixar caução ou fazer pré-pagamento.

  2. A Lei fecha e continuará a fechar os olhos a estas discriminacoes. Deixei de andar de mota à 6 anos e na altura já era assim. Não os conseguindo vencer, respondia na mesma moeda, naqueles dias em que estava com tempo, muito tempo. Ao pré-pagamento respondia sempre com um “É para encher, não sei quanto vai levar”. Claro que arranjavam outras desculpas. Pelo que abastecia 1euro, pago com MB. Claro que tinha de voltar à caixa muitas vezes para pedir mais 1euro … “Ainda não ficou atestado”. Cheguei a ter alguns gerentes a virem reclamar, mas a ameaça de chamar a polícia por recusarem vender combustível, fazia-os ter de aguentar.

{ 0 Pingbacks/Trackbacks }

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *