Assistente pessoal para o Apple MacBook

Embora já não tenho hackintosh cá em casa, continuo a seguir a capacidade de ultrapassar dificuldades dos fóruns da especialidade. Muitas das coisas que descobrem como resolver acabam por ter aplicações nos verdadeiros computadores da Apple.

Desta vez fui encontrar algo com que já me tinha feito experiências de por os computadores a falar, mas fui encontrar uma experiência de falar com o computador: Samantha. A experiência aparentemente já não era nova, mas como dizia que o código era aberto, decidi dar uma voltinha.

A ideia do utilizador do fórum era um bocado mais ambiciosa que a minha: criar um Siri no computador. Outro utilizador do fórum apontou para a existência de outras experiências, supostamente mais evoluídas:

O Apple Mac só trabalha com voz em algumas línguas, e algumas destas aplicações só funcionam em inglês. Para experimentar necessitam da conversão de voz para comandos do Mac a funcionar. Depois podem tentar dizer alguns dos comandos em inglês. O mais típico é pedir que diga as horas. Depois de ligado no Mac a opção de comandos para voz, podem ainda cstomizá-lo. Há algumas brincadeiras que podem fazer, como dizer as horas a cada hora  ou adaptar os avisos para que o computador pareça neurótico com algumas frases menos esperadas:

  • HEY! Look at me!
  • Look! It’s Steve Jobs!
  • Come touch my keys!

Instalado e configurado podem então voltar às aplicações para as experimentar. A primeira coisa que vão descobrir é que da caixa o Mac só nos responde se carregarmos no atalho de teclado, o que deita por terra aquela visão de futurista de entrarmos em casa e dizermos “Ligar aí a musíca”. Por omissão a configuração pede-nos que carreguemos duas vezes na tecla FN, mas podem configurar a vossa combinação de teclado.

A primeira experiência foi com o Sarah, mas este falhava logo após a configuração. O Mac queixou-se que o executável estava corrompido. Fim da história.

A segunda experiência foi com o Samantha. Vão precisar de ter uma conta do fórum para fazerem download. Depois é só arrastar para dentro da pasta Applications. Quando arranca, mostra uma caixa de texto que, se tiverem o reconhecimento de voz ligado como referi mais atrás, tenta executar as ordens que lhe damos. Podem também escrever a instrução manualmente, tudo bastante rudimentar e pouco prático.

A terceira e última experiência foi feita com o Sinus. A funcionalidade é muito semelhante ao do Siri. Começa por sugerir que instalemos a voz da Samantha que é muito semelhante à do Siri, se não for a mesma. Depois é carregar na tecla de atalho indicada e começar a dar ordens. A experiência começou mal. Nunca entendeu o meu nome. O aspeto é bastante polido em relação ao script em código aberto, mas ou o meu inglês é muito mau ou então a Samantha não gosta nada de mim. O Sinus não entendeu patavina do que lhe disse.

Por agora considero que as experiências com software livre de controlo do computador terá de esperar que este amadureça mais um pouco até que a experiência seja como a do filme 2001 Odisseia no Espaço, aquela do computador HAL9000.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *