Congestionamento de Petroleiros

De vez em quando vemos notícias que são absolutamente impensáveis. Esta foi retirada do ZeroHedge, e fala-nos sobre as filas congestionadas envolvendo petroleiros, nalguns mares do Planeta.

O mais surreal desta notícia, é que o congestionamento dos petroleiros não está só relacionado com um consumo excessivo de combustíveis fósseis em qualquer parte do Planeta, mas sim com jogadas económicas envolvendo o ouro negro.

Na notícia há uma primeira referência a esta notícia da Reuters, onde se dá conta do congestionamento de petroleiros à espera de ser abastecidos. Na verdade, esta é para mim uma notícia “normal”, mas é sempre interessante ver a imagem de cima:

Petroleiros grandes a fazer fila

Petroleiros grandes a fazer fila

Se isto parece normal, o que se segue é mais surreal. Seguindo os links providenciados, chega-se a um outro artigo, onde se dá conta que, depois de carregados, os petroleiros ficam semanas à espera de comprador! A fazer o quê? A congestionar o trânsito! O petroleiro em causa, o Distya Akula, tem todavia uma história mais interessante. Seguindo os links do Google, percebe-se que foi dos primeiros petroleiros a carregar petróleo do Irão depois do levantamento de sanções. Mas, pelos vistos, terá ficado parado várias semanas no estreito de Suez, à procura porventura de comprador?

Mas, há dias, a Reuters saiu-se com uma notícia ainda maior. A notícia volta a falar de petroleiros cheios de petróleo, sem saber muito bem o que fazer com ele. Petroleiros com 7.5 mil milhões de petróleo a preços correntes, que alinhados se estenderiam por quase 40 quilómetros. Fala-se de marinheiros atarefados a combater o tédio. A Reuters ilustra a notícia com uma foto muito interessante, embora datada:

São mais que muitos…

No meio disto tudo, há notícias com palavrões como contango. Tentar perceber o que significa dá direito a uma dor de cabeça. Tentar outra vez de forma mais simples só nos confunde ainda mais… Mas, que é giro ler estas notícias, é!

Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *