Esticando limites pela EMEL

Num dos artigos que referenciamos a propósito do disparate das bicicletas partilhadas em Lisboa, registei um dos parágrafos aí presentes:

  • “Hoje em dia é até com algum agrado que verificamos que muitas juntas de freguesia e muitas associações de moradores clamam pela presença da EMEL, porque quando a empresa chega o estacionamento é ordenado”, salientou o responsável, que sucedeu a António Júlio de Almeida, após este ter sido demitido pelo município em fevereiro.

Registei porque há inúmeros casos em Lisboa onde a EMEL entra, e só sai asneira! Os moradores até podem ficar satisfeitos, até porque normalmente podem usufruir de estacionamento de borla. Os outros, que se lixem!

Um bom exemplo é a “expansão” da EMEL à volta da Loja do Cidadão das Laranjeiras em Lisboa. Como podem ver pela imagem abaixo, que tirei há poucos dias, a EMEL ordenou completamente o estacionamento, ao ponto dos carros terem fugido para outro lado! Pelo menos para trás da placa onde se indica que se começa a pagar… E haverá uma associação qualquer de moradores a clamar, ao lado, para que a EMEL aí chegue?

Quando perceberem que é o pequeno comércio que sofre, que os serviços fogem para a periferia da cidade, etc, etc., não se venham queixar!

E até podem invocar que é uma medida “verde”, mas eu dou por mim a fazer mais quilómetros, e a servir-me agora de uma Loja do Cidadão com parque de estacionamento coberto, sem pagar, em Odivelas. Contribuo com mais poluição, sou menos “verde”, mas não contribuo para o peditório da EMEL… Ah, e sou atendido em menos tempo!

Estacionamento ordenado da EMEL

Estacionamento ordenado da EMEL

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *