Sacos de plástico vs. sacos de papel

A confusão que reina na cabeça de muita gente sobre os sacos de plástico é verdadeiramente grande! Uma dessas confusões está associada às supostas vantagens da utilização de sacos de papel. Aliás, este artigo surgiu de uma discussão no blog descontos, e da dificuldade das pessoas aceitarem este facto.

Essa confusão deverá ter saído reforçada quando vários super e hipermercados substituíram os sacos de plástico pelos de papel. O Zé Povinho porventura pensa imediatamente que os sacos de papel são bons, porque alguém disse que os sacos de plástico eram maus…

Infelizmente, estas jogadas resultam de interesses financeiros. O primeiro, o do Ministro do Ambiente e do Governo foi por água abaixo. Uns da indústria favorecem o plástico, outros os de papel, mas quem realmente se ri neste momento são os vendedores de sacos de plástico de lixo! No final, a maior parte dos jovens bem pensantes provocam os mais adultos, que têm idade suficiente para saber que a reciclagem antiga era mais reciclagem que a de hoje

Mas o que realmente conta nesta discussão são os estudos que se fazem à volta do impacto dos sacos de papel, versus os sacos de plástico, e já agora versus os restantes. Um dos estudos de referência é da Agência de Ambiente do Reino Unido. É só ler as conclusões principais:

  • O impacto ambiental dos sacos de compras é dominado pelos recursos utilizados e pelos estágios de produção.
  • A chave para minimizar o impacto consiste na sua reutilização. A reutilização para enfiar o lixo é repetidamente referenciada, sendo utilizada em 40% dos sacos de plástico convencionais do Reino Unido.
  • A utilização de um saco de plástico para enfiar o lixo é mais benéfica que a reciclagem do respectivo plástico. A compostagem dos sacos em que isso é possível (eg. sacos de papel) contribuem muito pouco para a redução do potencial de Aquecimento Global.
  • Para que um saco de papel seja competitivo com um saco de plástico leve, deve ser reutilizado nas compras pelo menos quatro vezes, o que devido à sua durabilidade é altamente improvável. Adicionalmente, é muito pior quando se equacionam aspectos como a toxicidade para humanos e a ecotoxicidade terrestre, devido ao impacto da produção de papel.

Muitos mais estudos existem. Ficam aqui algumas referências para quem queira enriquecer os conhecimentos nesta área. Se o leitor encontrar mais, refira-os nos comentários, para poder actualizar a lista:

Enfim, qualquer pessoa que saiba como se faz a produção de papel, desde o crescimento/abate de árvores (e eu até adoro os eucaliptos!) até à sua produção nas papeleiras (perguntem aos vizinhos destas fábricas como é lá viver…), não teria grandes dúvidas de que susbtituir os sacos de pláctico por sacos de papel é uma autêntica aberração.

Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *