Vale a pena substituir o frigorífico?

A substituição de um frigorífico velho por um novo representa potencialmente uma grande poupança de energia. A pergunta que muitas vezes se coloca é, se vale a pena substituir um equipamento operacional, por um novo. A resposta pode estar nas seguintes contas.

A classe de eficiência energética dos frigoríficos foi originalmente definido pela Directiva 94/2/CE que definiu as classes A a G. Posteriormente, a Directiva 2003/66/EC definiu adicionalmente as classes A+ e A++, e o Regulamento Delegado Nº 1060/2010 da Comissão definiu a classe A+++. Para cada classe, há um nível de eficiência energética. Os dados seguintes são os referenciados pela ADENE, mas adequados aos custos actuais do kWh (cerca de 0,16€, já com IVA). Repare-se que os valores indicados para consumo e custo de energia são de 15 anos:

Classe Índice de eficiência energética Consumo de energia em 15 anos (kWh) Custo económico em 15 anos Poupança na substituição por um produto de classe A+++
A+++ <0.24 2365 378.4
A++ 0.24-0.3 2956 472.96 94.56
A+ 0.3-0.42 4139 662.24 283.84
A 0.42-0.55 5420 867.2 488.8
B 0.55-0.75 6405 1024.8 646.4
C 0.75-0.90 8130 1300.8 922.4
D 0.90-1.00 9855 1576.8 1198.4
E 1.00-1.10 10347 1655.52 1277.12
F 1.10-1.25 11579 1852.64 1474.24
G >1.25 12318 1970.88 1592.48

O valor de poupança é igualmente a expectável ao fim de 15 anos. É fácil perceber que só compensará verdadeiramente para frigoríficos ineficientes. De uma forma geral, os frigoríficos anteriores a 1993 devem ser os primeiros candidatos a serem substituídos. Para os restantes, não se esqueçam de implementar primeiro as dicas que sugerimos sobre a minimização de consumos no frigorífico, o que vos permitirá alguma poupança, e adiar a troca por um mais eficiente.

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *