Mercado Liberalizado da Electricidade: mais do mesmo

Com a enorme subida de preços do kWh, voltei a ver se o Mercado Liberalizado da Electricidade teria finalmente acordado. Já havíamos efectuado esse trabalho há um ano atrás. Mais valia estar quieto, mas já que fiz o exercício, aqui vão os resultados da pesquisa. Como podem comprovar, as poupanças são absolutamente negligentes, sobretudo no contexto dos recentes aumentos da ERSE.

A Endesa, que ganhou o leilão da DECO do ano anterior, para começar tem os preços desactualizados, como podem ver neste link. Ele está acessível do lado esquerdo do site, clicando-se em “Tarifa Luz Endesa para domésticos” aparecendo depois do lado direito o link “Ver condições da oferta”. Uma vez contactados, disseram-me que não dão desconto sobre o preço do kWh, mas apenas 15% no termo de potência.

Os tarifarios da GALP Energia também não têm descontos no preço do kWh. Dão apenas desconto no termo fixo, de 10%, 15% e 25%, nos Planos Base, Online e Comfort, respectivamente. Os valores do kWh são os mesmos do mercado regulado.

Na EDP, o cenário é um pouco mais complexo. Dão descontos, que aparentemente incidem sobre o termo de potência e valor do KWh. Com o Casa Click, o desconto é de 3% para os tarifários simples, mas de apenas 1% para os tarifários bi-horário, inferiores a 6.9 kVA, nos quais me incluo. O tarifário Casa é pior, com descontos de 1% para os tarifários simples, ou 2% se se optar pelo pagamento em débito directo. No bi-horário, para dispor do desconto de 1% é também necessário autorizar o débito directo. A EDP é clara quando diz que “os descontos incidem sobre as tarifas reguladas”.

A Iberdrola, nas suas tarifas domésticas, regista exactamente os mesmos valores de potência do Mercado Regulado, e no preço do kWh não regista valores inferiores aos do Mercado Regulado, registando mesmo alguns valores superiores!

Tags:

{ 11 comments to read ... please submit one more! }

  1. Para quem está ainda no mercado regulado (e com tarifa bi-horária), põe-se a questão: Mudar? Mudar para quê?

  2. Questionei a Endesa sobre alteração de Preços a 1/1/2014 e deram indicação que foi por via da ERSE que obrigou a uma alteração dos preços.
    Isto é verdade?

  3. Nuno,
    A resposta da Endesa é incorrecta. A ERSE define os preços apenas para o Mercado Regulado. O mercado liberalizado devia ser isso mesmo: um mercado liberalizado. Infelizmente, não é, e a prova disso são essas indicações da Endesa!

  4. Se verificarem bem, os preços do mercado liberalizado estão indexados às tarifas do mercado regulado, logo mercado concorrencial não existe.

  5. Rui,
    Sim, é isso, e sem qualquer dúvida.
    Agora, olhe-se para trás e pergunte-se porque é que a ERSE dizia que ia subir os preços do Mercado Regulado, para forçar a passagem para o Mercado Liberalizado?

  6. Seria interessante saber quantos utilizadores ainda permanecem no mercado regulado, e saber especificamente porque razão ainda não efetuaram a transição. De mim ainda não mudei porque a vantagem é nula ou ainda pior.

  7. Cerca de 40% já mudaram:
    http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/energia/detalhe/iberdrola_rouba_a_endesa_o_segundo_lugar_do_mercado_liberalizado_de_electricidade.html

    Eu não mudo, por causa do bi-horário. Continua a ser a melhor opção para mim, sendo as vantagens da mudança mínimas…

    Mas, a pressão é grande. No outro dia, a EDP literalmente “invadiu” o nosso prédio, com três pessoas extremamente agressivas. É claro que sucumbem imediatamente, e literalmente fogem de quem conhece o assunto…

  8. Realmente é um caso que ainda não aconteceu. Mais parece os angariadores de telecomunicações.
    Tendo a EDP a posição dominante nos dois mercados, e se ainda faz esses esquemas de angariação forçada, é de facto lamentável.

  9. Extraordinário. Cliquei agora na Endesa, e já tem uma nova promoção, a ressucitar a parceria com a DECO.
    E descobri que me oferecem 10€ se mudar para o bi-horário deles…
    Para quem não precise de bi-horário, já oferecem 5% no consumo.

    Pode ser que isto anime um nadinha…

{ 1 Pingbacks/Trackbacks }

  1. O mal das tarifas transitórias » Poupar Melhor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *