Powerwall da Tesla Motors


Não podíamos deixar passar em claro o anúncio da Tesla Motors de lançar uma bateria doméstica. A empresa Tesla conhecida pelo seu carro elétrico vem agora propor-nos uma bateria de montar na parede por uns míseros $3.000,00. O valor não é exagerado se tivermos em conta a sua capacidade, embora pudessem encontrar algo semelhante por outros preços, mas apenas preparado para serviços industriais.

Como diz a Wired, podem ter uma deceção se comprarem uma bateria destas pensando que obterão dela 100% de eficiência. A questão da ineficiência do equipamento não é a única.

Houve que sugerisse que a utilização do lítio como matéria prima deste tipo de equipamentos, à medida que o seu uso se tornar mais generalizado, poderá entrar num processo de esgotamento semelhante ao do petróleo.

Outra questão é a eficiência económica da aquisição de um equipamento destes. A ideia de adquirir um equipamento destes para acumular energia da rede em período em que o valor de venda fosse o mais baixo pode ser atrativa.

No entanto, à medida que houver mais pessoas a investir nestes equipamentos, a procura da energia em período de baixa, aquilo a que chamam o período de vazio nas tarifas bi-horárias, pode vir a tornar-se um período em que a diferença do custo da energia será quase nenhum uma vez que haverá mais procura, o que aumentará o preço.

Por último, tal como nos combustíveis automóveis, a legislação inventada porque sim e porque não, pode manter o preço da eletricidade a subir porque sim e porque não. Se os consumidores insistirem nessa coisa nefasta que é o auto-consumo, isto é, o consumo da energia elétrica que eles próprios produzem, podem ver-se a braços com taxas de produção nessa energia para compensar a quebra da procura perante a oferta das grandes empresas produtoras.

Tags:

{ 3 comments to read ... please submit one more! }

  1. Este post tem um travo bastante pessimista!

    Creio que o principal objetivo desta unidade é o armazenamento de energia proveniente de fontes renováveis, em particular de painéis fotovoltaicos. Usar uma unidade destas para estabilizar a rede ou para usufruir de tarifas mais baratas? Colocar tantas unidades no mercado ao ponto de fazer escassear o lítio? Podemos passar o resto da nossa vida a encontrar defeitos e maus exemplos de utilização destas tecnologias, mas continuar a “queimar” combustíveis fósseis é a solução?

    Ah, percebi a ideia! Vamos esperar que apareça a solução perfeita!

  2. Nuno L, espero que tenha entendido a ironia no meu último parágrafo quando falo do autoconsumo. Por um bocadinho que os portugueses não ficavam nesta legislatura impedidos de consumir a energia que produzem. Sou adepto destas coisas ou não falaria tanto nelas, mas também mantenho uma visão critica e por isso não posso tomar por bom tudo o que o Elon Musk faz só por ser dele. Seria sucumbir ao argumento de autoridade.

    Neste momento estamos a recolher argumentos contra, já que os a favor a Tesla já os apresentou. Ainda não tirámos conclusões pois não os testámos. Já não seria a primeira vez que com o A.Sousa dividíamos um tema por vários posts, que foi o que fizemos esta semana. Em lugar de esperarmos pela solução perfeita, vamos antes continuar esta discussão com os próximos posts a ver se chegamos a alguma conclusão.

  3. Nuno L,
    Esta não é um boa solução para quem tenha actualmente produção a partir de fontes renováveis. É muito mais interessante para esses continuar a vender a energia à rede a um preço acima do Mercado. Se preciarem dela, compram-na de volta a um preço inferior.
    Para quem agora invista na produção a partir de fontes renováveis, há uma série de limitações recentes, como o designerferro abordou no comentário anterior, e que em meu entender se vão agravar. Em qualquer caso, tem que somar o custo da produção.
    Para quem se queira desligar da rede, é uma opção, mas há uma série delimitações, que abordo no artigo de hoje.

    A solução perfeita obviamente não existe! A tecnologia evolui desta forma, mas esta é uma não solução, técnica e financeiramente, eu diria para a quase totalidade dos Portugueses…

{ 0 Pingbacks/Trackbacks }

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *