Raspadinhas em alta

As raspadinhas é um tema que temos referenciado aqui ao longo do tempo. Referimos por exemplo como se correlacionam os prémios e probabilidades, artigos sobre as probabilidades associadas, e até nos perguntamos porque continuam as pessoas a jogar na raspadinha?

As notícias de ontem sobre o sucesso dos Jogos Santa Casa vão infelizmente num mau sentido, segundo a minha modesta opinião… Se os Portugueses jogaram mais 24% em 2016 do que em 2015, alguma coisa está muito mal! Só na raspadinha, os Portugueses apostaram uns incríveis 1.3 mil milhões de euros, um aumento de 23.3% em relação ao ano anterior…

É verdade que muito deste dinheiro regressa à Sociedade, e muito vai também para o Governoo, mas segundo a minha percepção, quem mais joga não são as classes mais favorecidas. Por isso, para além de ser uma excelente forma de perder dinheiro, funciona também como um “imposto” de taxa regressiva…

Da nossa parte, vamos tentar actualizar as estatísticas das múltiplas Raspadinhas, para verificar pelo menos como andam as probabilidades…

Neil deGrasse Tyson pede que mudem a forma como se olha para a ciência


Neil deGrasse Tyson está num vídeo a pedir aos americanos que mudem a forma como olham para a ciência.

A sua preocupação com o declínio da capacidade dos cidadãos de interpretarem o que são factos está presente neste vídeo.

Na sua opinião, as pessoas deixaram de saber distinguir os factos, e isso é a receita para que a democracia seja desmantelada.

Segundo ele, cabe à ciência disponibilizar os factos em que se baseiam as políticas. Cabe aos políticos decidir o que fazer com esses factos.

Marcha pela Ciência?

A Marcha pela Ciência é já amanhã, e ocorre em muitas cidades do Mundo. A Marcha nasceu nos Estados Unidos, como forma de luta política, e daí se estendeu pelas várias cidades do Mundo.

Pessoalmente, vejo a politização da Ciência e dos Cientistas de uma forma muito negativa. Todavia, é apenas mais um passo na descredibilização de muita da Ciência actual, e que aqui temos vindo a expôr.

As evidências dos problemas da Ciência moderna estão por todo o lado. E, a nós Portugueses, a morte esta semana de uma adolescente de 17 anos parece ser mais um exemplo anti-Ciência, mas que é precisamente ao contrário.

A opção de não vacinação teve um forte impulso quando em 1998 o médico Andrew Wakefield publicou na revista científica The Lancet, considerada pelos próprios the world’s leading independent general medical journal, um artigo em que associava a toma da vacina do sarampo+papeira+rubéola ao autismo.

Esta “Ciência”, aliás da melhor ciência do Mundo, por ter sido publicada no The Lancet, não foi desmascarada pelos colegas cientistas. Não, foi desmascarada por um jornalista, Brian Deer, em 2004, no jornal The Sunday Times. Numa primeira fase, a revista The Lancet ainda tentou boicotar a sua investigação, mas foi preciso esperar até 2010 para que o paper fosse completamente retratado.

Não é preciso fazer muitas contas para perceber como esta “Ciência” terá influenciado a vida de muitos, e porventura da adolescente de 17 anos que esta semana morreu em Portugal. Mesmo antes de Trump, veja-se a posição de Obama e Hillary neste domínio, que em 2008 pareciam ainda alinhar com a “Ciência” de Wakefield.

Brian Deer esteve em Portugal o ano passado, mas a única notícia que encontrei foi esta. A leitura do seu blog, e em particular deste artigo, vão no sentido de muita informação que tenho recolhido nos últimos tempos, e que nos dizem que a “Ciência” já não é o que era… Um jornalista a seguir!

A luta pela credibilização da Ciência não se faz por isso nas ruas. A melhor coisa que a “Ciência” poderia fazer era uma espécie de mea-culpa, parar para pensar, e provavelmente dedicar-se nos próximos tempos a expôr a má Ciência. Ou tudo aquilo que nos é vendido, de forma directa ou indirecta, como cientificamente credível.

Aqui no Poupar Melhor já o fizemos inúmeras vezes, e até com sacrifício nosso, com o célebre episódio do Molecoiso… E continuaremos a fazer, porque aqui não vamos pelo caminho da política, mas mais pelo Método Científico!

Combustíveis em subida

Preço do combustível onde abasteço - por @alvaromferro

Preço do combustível onde abasteço – por @alvaromferro

E tal como a Primavera volta todos os anos, os combustíveis voltam a subir.

A imagem do post é obtida do meu controlo diário ao preço junto a casa onde abasteço.

Há uns dias que a gasolina e o gasóleo têm vindo a subir, mas a tendência é agora visível a olho nu.

Jogo de computador Starcraft agora é free, como em grátis 

Starcraft remastered logo

Starcraft remastered

Os jogadores (como eu) que perderam horas de roda dos jogos de Real Time Strategy (RTS) nos idos anos 90, devem recordar-se do Starcraft.

O Starcraft está agora disponível de graça, free, gratis, diretamente do próprio site. Este sucesso de 1998 é-nos oferecido pela Blizzard, a mesma editora de Warcraft.

Foram corrigidos no jogo um conjunto de bugs de há muito tempo, mas isso não faz com que tenha gráficos comparáveis com os dos jogos de hoje.

Isto não invalida que continue a ser jogado por fãs e em e-Sports em países como a Coreia do Sul e Japão.

Usar uma Trust Mini Webcam WB-1200p como camera do Raspberry Pi

Trust WB 1200P webcam

Trust WB 1200P webcam

A Trus Mini WebCam era uma câmera portátil vendida há muito, muito tempo. Dava para capturar uns incríveis e espetaculares 352 x 288 pixeis.

Hoje há câmeras com muito mais capacidades que esta pequena câmera. Isso não significa que não possa ser aproveitada, nem que seja para umas experiências com o Homebridge.

Ter uma câmera dentro de casa permite criar um sistema de alarme com base na alteração do que a câmera capta. O resultado para mim foi passar a ver a última imagem capturada em caso de movimento e ter acesso ao vídeo do período do evento.

IMG_6385.jpg

Se têm um Homebridge no vosso Raspberry Pi, uma câmera e um iPhone, podem ter estas funcionalidades. Para isso terão de instalar e configurar o seguinte software:

Cada um destes componentes serve um propósito:

  • O Motion é um servidor de deteção de movimento com base em camêras compatíveis com Video for Linux (V4L2);
  • O v4l-util é o conjunto de utilitários que permite ao sistema utilizar câmeras e outros equipamentos de vídeo;
  • O Homebridge-Camera-motion é o módulo do Homebridge que permite configurar uma localização de um ficheiro especial de *nix e da última imagem capturada;
  • O fswebcam é um utilitário que permite testar a câmera.

A instalação dos componentes com através de um comando é trivial. Mais complicado é a configuração e os vários problemas que encontrei por ter um equipamento pouco recente e  algo instável.

Um dos problemas que encontrei foi quando a câmera falha, o device da câmera mudava de /dev/video0 para /dev/video1. Mesmo com regras em /etc/udev que criam um link simbólico de /dev/videoSpaceCam para /dev/video? .

Para combater isto, tive de criar um cão de guarda algo rudimentar que verifica qual o device no link simbólico e recria o link simbólico se não tiver vídeo no nome.

#!/bin/bash
SPACECAMDEV=$(ls -l /dev/videoSpaceCam | sed ‘s/.*> //’);

if [[ $SPACECAMDEV == *”video”* ]];
then
echo “SPACECAMDEV OK”
else
echo -e “$SPACECAMDEV NOK \n$(ls -la /dev/video*)”
DEVID=$(ls /dev/video? | sed ‘s/\/dev\/video//’)
rm /dev/videoSpaceCam;
ln -s /dev/video$DEVID /dev/videoSpaceCam;
fi

O script é depois chamado a cada minuto depois de configurado com o crontab.

Outro problema encontrado foi que a captura de imagem da câmera revertia sempre para um tamanho ainda mais pequeno que os incríveis e espetaculares 352 x 288 pixeis.

Para isso foi necessário configurar corretamente o motion para capturar na capacidade máxima da câmera. Isso é feito no motion.conf alterando o valor da variável v4l2_palette.

Para saber isso e outras coisas utilizei o comando v4l2-ctl:

v4l2-ctl –list-formats-ext — identificação do formato a configurar na variável v4l2_palette

v4l2-ctl –list-ctrls — lista de controles da câmera

Por último, para mostrar a imagem do último evento no iPhone, foi necessário criar um segundo cão de guarda.

O script procura a última imagem no diretório onde os eventos detetados são guardados e copia-a para o nome laspsnap.jpg para ser mostrado no iPhone.

#!/bin/bash
find /media/Media/Motion/ -maxdepth 1 -type f -name “*.jpg” -print0 | xargs -0r ls -tr  | tail -1 > lastjpeg
LASTJPEG=$(cat lastjpeg)
cp -f $LASTJPEG /media/Media/Motion/lastsnap.jpg

Guardo as imagens e filmes gerado pelo Motion num disco externo para evitar problemas de falta de espaço.

O Motion pode ser configurado para aceder remotamente a câmeras ip, o que facilita a configuração do sistema de controlo num sitio e de captura no outro.