Atenção, concentração e menos confusão

Desafio-vos a ver o vídeo até ao fim. Não o podem mandar para uma janela à parte e esperar que termine enquanto entram em modo multi-tarefa. Têm de o ver com toda a vossa atenção.

Estamos num tempo em que os media, através dos bonecos animados, os videoclips, os programas de televisão, os posts, os twitts e outros soundbytes nos habituaram a receber a nossa dose de conteúdos diversificada sem que tenhamos de nos esforçar para concentrarmos em coisa nenhuma.

O vídeo acima é um teste para verem como está a vossa capacidade de concentração. Podem dizer a vocês mesmos que o vídeo não tem interesse e que na realidade não o vão ver até ao fim porque têm coisas mais importantes para fazer, mas desafio-vos a ver o vídeo até ao fim.

Desafio-vos a pedir aos vossos filhos que façam o mesmo. Desafio-vos a depois de o fazer, compararem a quantidade de reclamações dos vossos filhos com a quantidade de vezes que pensaram em interromper a sua visualização.

O filme é uma brincadeira do College humor, mas na realidade é um dos vídeos mais interessantes que vi a criticar a própria internet e os seus utilizadores. O desafio é concreto, mas o único vencedor é quem vir o vídeo até ao fim.

Faz o que eu digo, não o que eu faço

A citação do título deste artigo aplica-se em muitas situações. No nosso caso, como referimos no Acerca do Poupar Melhor, “poupar é um acto cada vez mais de consciência“, “mas não significa, para nós, abdicar daquilo que a Sociedade conquistou“. Ou seja, somos flexíveis, não fundamentalistas.

Este artigo surge porque a semana passada li sobre duas situações que ilustram como um comportamento fundamentalista tem os seus riscos.

No primeiro caso, li no Telegraph uma notícia que refere que as pessoas mais preocupadas com as alterações climáticas são as que mais energia consomem. A conclusão surpreendente vem dum estudo académico da Universidade de Loughborough, embora os autores tenham detectado que as pessoas mais idosas, aquelas que menos se preocupam com as alterações climáticas, são também as que menos energia consomem…

No segundo caso, li uma interessante carta que circula dentro da Greenpeace na Holanda. Aparentemente, há um executivo da Greanpeace que voa umas quantas vezes por mês para o trabalho. Mas, voar não deveria ser uma opção numa organização que a considera um autêntico cancro para o planeta…

Estes são dois exemplos que nos devem dar que pensar. Se não somos flexíveis, temos que arcar com as consequências. Eu vou claramente continuar a poupar, mas também a gastar!

107ª partição: a do pit stop fora da autoestrada e da lei de Murphy contra o Zonhub

Podcast do Poupar Melhor

Esta semana o A.Sousa vai falar de como perde 19 minutos, mas ganha no preço do gasóleo a abastecer fora da auto-estrada.

Terminámos a falar de como a lei de Murphy se uniu ao Zonhub para numa tempestade perfeita me roubarem o tempo de descanso e tudo o que tinha num disco de 500GB.

Podem aceder aqui à lista completa de episódios do Podcast. O Podcast do Poupar melhor está também no iTunes

Play

Técnicas para roubar turistas

Quando vamos de férias, normalmente os ladrões vão connosco, pois já lá estão. Os turistas são muitas vezes alvos fáceis num sem número de esquemas, mas todos estamos sujeitos aos contos de vigário

O site Just The Flight criou um infográfico particularmente interessante, onde alerta para 40 esquemas, dos quais os ladrões se aproveitam um pouco por todo o Mundo. A maior parte deles consiste em despertar a atenção do burlado, para que destraído, não dê pelo ataque do cúmplice. Todavia, a que mais me impressionou foi a dos taxistas de Las Vegas…

A infografia está em inglês, mas é uma referência obrigatória para este período de férias, sobretudo quando vamos lá para fora, onde as técnicas são diferentes das dos carteiristas do eléctrico 28.

Técnicas de roubo, esquemas, etc. a turistas. Previna-se!

Técnicas de roubo, esquemas, etc. a turistas. Previna-se!

Ligar o Raspberry Pi a um monitor VGA

Adaptador HDMI para VGA

Adaptador HDMI para VGA da Adafruit

Se como eu têm o vosso Raspberry Pi (RPi) ligado à televisão da sala, então também já devem ter tido aquela experiência de quererem experimentar alguma coisa no XBMC e a sua lentidão levar todos os que estão na sala a votarem-vos para fora da televisão. Para resolver esta injustiça comprei um adaptador de HDMI para VGA.

Com este adaptador é possível configurar a saída HDMI do RPi para enviar sinais que um velhinho monitor consiga ler. O ecrã em antigo não é propriamente o ecrã gigante pelas suas fenomenais 15 polegadas, mas serve bem para as experiências não incomodarem o resto dos convivas lá da sala e assim conseguirmos todos estar juntos ao fim do dia enquanto o pai brinca com o RPi.

Para resolver por agora as múltiplas configurações necessárias, televisão e monitor, criei num diretório dois ficheiros, config.txt.tv e config.txt.monitor, que vou trocando antes do reinicializar o RPi para trocar de monitor para televisão e vice versa. No config.txt.tv tenho a configuração original e no config.txt.monitor tenho a configuração que vão encontrar na página da Adafruit e devem adaptar à configuração do monitor que queiram utilizar com o RPi.

Energia consumida para transmitir 1GB

No documento da IEA que referenciamos no artigo sobre o Potencial de poupança em standby, uma das secções que me chamou mais à atenção foi a da quantidade de energia necessária para transmitir 1 GB de dados na Internet.

Fui procurar imediatamente os dados subjacentes, relativos a um trabalho de Coroama, V.C. et al. Para minha grande surpresa, é um investigador do IST. No artigo intitulado “The Direct Energy Demand of Internet Data Flows“, Vlad Coroama et al., contabilizam a energia consumida num evento decorrido em 2009, em simultâneo em Davos na Suiça e Nagoya no Japão. Este evento foi escolhido porque se procurava evitar as emissões decorrentes do transporte aéreo, recorrendo à videoconferência entre os dois locais.

Os investigadores contabilizaram de seguida os consumos de energia decorrentes dessa videoconferência. A análise é muito interessante porque envolve o estudo do caminho seguido pela informação entre os dois países, visível na imagem abaixo. Os valores a que chegaram são particularmente interessantes: 0.1993 kWh por cada 1 GB transmitidos!

Sem surpresas, o consumo de energia através de videoconferência foi muito inferior ao do transporte dos conferencistas para um dos outros locais. É claro que para chegar a Davos ou Nagoya, os conferencistas também gastaram energia, pelo que deveriam era ter feito a conferência nos seus locais de trabalho… No total, a transferência de dados da videoconferencia terá consumido apenas 43 kWh, a que se somam 108 kWh dos equipamentos terminais (écrãs de plasma, câmaras e projectores).

Caminho na Internet entre Davos e Nagoya

Caminho na Internet entre Davos e Nagoya