Lei de Moore

Amanhã, a Lei de Moore faz anos. Fará 50 anos que Gordon Moore, que fundaria em 1968 a empresa que mais tarde se chamaria Intel, escreveu um artigo chamado “Cramming more components onto integrated circuits”. Nesse artigo, Moore previa que por cada ano que passasse seria possível duplicar o número de componentes num circuito integrado. Ele fez essa previsão com base nos valores de componentes que se haviam encaixado num circuito integrado, nos anos anteriores:

Imagem do artigo de 19 de Abril de 1965

Imagem do artigo de 19 de Abril de 1965

10 anos depois, em 1975, a sua previsão não estava muito longe do alvo, dado o crescimento a que se assitira na década anterior. Corrigiu num novo artigo, “Progress in Digital Integrated Electronics” a sua previsão para uma duplicação a cada dois anos. Passados 50 anos, a sua previsão continua muito certeira, conforme se pode observar neste gráfico elaborado pelo Wikipedia:

Evolução da Lei de Moore nas últimas décadas

Evolução da Lei de Moore nas últimas décadas

Muito poderíamos mais falar sobre esta lei de Moore. Para além da página do Wikipedia linkada acima, há outros bons artigos, nomeadamente esta compilação de artigos elaborado pelo IEEE, incluindo uma entrevista ao próprio Moore. Este infográfico da Intel dá igualmente uma visão rápida da evolução.

Para mim, grandes ensinamentos se podem retirar da Lei de Moore. Em particular, ela evidencia como há sistemas deflacionários que funcionam impecavelmente. Note-se que a Lei de Moore não é só sobre cada vez mais poder de cálculo, mas também um custo cada vez menor. Enquanto os economistas gostam de debater se preferimos 1000 euros hoje, ou 1000 euros daqui a um ano, os engenheiros preferem discutir se teremos um processamento a dobrar daqui a um ano, ou se custará metade do que custa hoje… E neste sistema deflacionário não há dúvidas quando se pergunta se se quer o mesmo computador hoje, ou daqui a um ano?

A lei de Moore é igualmente um dos melhores exemplos de progressão geométrica. Reparem que qualquer coisa que começou com uma duplicação de 2 para 4, e por aí acima, já vai nos biliões. As progressões geométricas podem todavia ser igualmente assustadoras…

Finalmente, a Lei de Moore devia ser também uma fonte de inspiração para quem faz previsões. É que as previsões não têm que ser sempre a subir, e por isso chocam muitas vezes com a realidade

Bancos serão obrigados a cobrar juros negativos

Euribor a 6 meses perto de valores negativos

Euribor a 6 meses perto de valores negativos

As taxas de referência para os empréstimos da maioria dos portugueses está perto de atingir valores negativos. No indicador a 1 mês os valores já atingiram mesmo valores negativos. Em abril esta taxa esteve nos -0,022%.

Esta nota serve para alertar-nos a todos que a taxa em causa também pode disparar, caso a economia melhore o seu desempenho. Aqueles que estão agora a festejar não terem feito um empréstimo de taxa fixa devem por isso tomar precauções e orientar as suas opções para acomodar uma variação desta taxa no sentido contrário.

Preço de referência dos combustíveis

Nunca aqui falamos da ideia burocrática do Governo de fixar um preço de referência nos combustíveis. Não falamos porque é uma ideia idiota e inútil, que só tem como única consequência a dos contribuintes suportarem mais um custo desnecessário. Até porque já havia alternativas, como esta da DGEG, e esta feita pela comunidade Mais Gasolina.

A ideia foi do Ministro Jorge Moreira da Silva. Na altura, há mais de um ano, ninguém duvidava da inutilidade da medida. A própria Autoridade da Concorrência não concordava com a proposta da medida. Para a APETRO, a medida não teria “qualquer vantagem para o consumidor” e inclusivamente dizia que “pode ter um efeito perverso”.

Mais de seis meses depois, a ideia estava prestes a passar à prática. Não antes sem mais um adiamento. Quando saiu, então foi a barraca total. Os valores de referência não correspondiam ao preço de venda. Deixavam de fora a parte mais interessante, que era aquilo que realmente varia, e que são os custos de distribuição. Enfim, uma medida mais típica do terceiro-mundo.

Na altura tomei nota mental de dar uma olhadela a esta aberração. A oportunidade chegou esta semana, quando vi uma notícia relacionada com os combustíveis low-cost. Ou muito me engano, ou vai ser mais um grande flop!

A primeira conclusão é que para além de tudo o que já referi, o site é impossível de utilizar. Pode ter sido azar meu, mas cheguei a estar largos minutos à espera de cada página. Diz tudo sobre a sua utilidade…

O site depois tem uma decomposição do preço de referência, do qual se retirou o gráfico abaixo, que confirma aquilo que já toda a gente sabe: que o custo dos combustíveis é essencialmente impostos:

ABC

Decomposição do preço de referência

Depois, finalmente, temos os tais preços de referência. Quer dizer, temos umas imagens. Se quisermos tratar os dados, eu não os descobri. Portanto, apenas podemos fazer figura de boi a olhar para um palácio. Isto é, umas imagens:

Legenda

Gráficos dos Preços de Referência

Da análise das duas imagens da esquerda, nada de novo nos traz, como certamente os leitores que têm acompanhado os nossos artigos e gráficos sobre os combustíveis. A imagem mais à direita, relativa ao spread entre os dados da DGEG e o preço de referência semanal, é a única interessante. Mas, mais uma vez, sem dados, não dá para explorar completamente. Por umas contas rápidas, percebe-se que há um ciclo mensal, com valores ligeiramente mais elevados. Dá também para perceber que a margem por litro se manteve, apesar da descida do preço do gasóleo, pelo que na verdade a margem percentual subiu.

Os dados anteriores confirmam que a medida não serviu para nada, especialmente para os consumidores. Os contribuintes, esses pagaram e continuarão a pagar mais este palácio… Enfim, esta inutilidade está ao nível daquela dos paineis das auto-estradas. Nada que nos espante, pois este Ministro do Ambiente não acerta uma

Presidente da República vetou a lei da cópia privada

Casca de Banana

Casca de Banana

Não queríamos deixar de registar aqui no nosso PouparMelhor.com o resultado final da novela da Lei da cópia privada. O Presidente da República exerceu o seu direito previsto no art.º 136º da Constituição da República e vetou a Lei da cópia privada.

No site da Presidência da República pode ler-se que o “Presidente da República não promulgou diploma sobre compensação equitativa relativa à cópia privada” por considerar que existe “a necessidade de uma reponderação dos diversos interesses em presença […] e mais conforme a uma adequada proteção dos direitos de autores e consumidores […]”.

Ou seja, a lei a que chamam “equitativa” não está conforme a definição do termo que lhe dá título:

e·qui·ta·ti·vo |qüi| adjectivo

  1. Que tem equidade.
  2. Recto, justo.
  3. Em que equidade.

Aquecimento ambiente do sótão

Este Inverno não tem sido propriamente quente, e a temperatura das nossas habitações vai refletindo isso mesmo.

Nestas alturas da Primavera, mas também do Outono, diariamente sigo as previsões meteorológicas, no sentido de verificar as previsões dos dias seguintes. O objectivo é aproveitar os dias de maior calor, para armazenar esse calor, para os dias mais frescos que se seguem. Tal foi o caso do passado fim de semana, que serviu para ventilar a casa, mas sobretudo para a aquecer. Como nos próximos dias, a temperatura ambiente vai estar mais fresca, a casa manterá algum do calor armazenado.

O gráfico abaixo diz respeito às temperaturas do sótão, que é neste período do ano a mais fria da casa, mas com dados respeitantes ao fim de semana da Páscoa. A temperatura ambiente é dada pela linha a azul, enquanto a linha a vermelho refelecte a temperatura junto da janela.

No dia 4 de Abril, abri as janelas, e verificou-se uma subida substancial da temperatura interna, a azul. A temperatura junto da janela, a vermelho, tem uma variação muito mais semelhante à exterior, como já havíamos mostrado neste artigo.

Variações temperatura sótão

O que a imagem acima reflecte é que a subida da temperatura durante esse dia 4 terá representado uma subida global de cerca de um grau. Para chegar a essa conclusão, note-se na variação dos dias subsequentes, para ver qual seria o comportamente no dia 4, se não se tivessem aberto as janelas.

Obviamente, esta gestão só é desejável, quando nos dias seguintes se aproximam dias mais frescos, que o gráfico também evidencia. Mas, não tardará muito para que a gestão passe a ser a contrária. E aí o objectivo será que o calor não entre…

140º sensor: o de abrir as janelas para deixar entrar o calor e dos juros negativos

Podcast do Poupar Melhor

Esta semana o A.Sousa conta-nos como a sua experiência para abrir as janelas e deixar entrar o calor.

Terminamos a falar das taxas euribor negativas.

Podem aceder aqui à lista completa de episódios do Podcast. O Podcast do Poupar melhor está também no iTunes

Play