121º táxi: o do truque para apanhar táxi nas partidas e da volta das chegadas à saída do aeroporto de Lisboa

Podcast do Poupar Melhor

Esta semana divertimos-nos com um segredo que sempre soubemos e nunca nos tínhamos lembrado de publicar. Discutimos também a forma como o Aeroporto tinha mudado os cais de desembarque dos autocarros de transporte de passageiros no que parece ser uma manobra para alterar a percepção destes passageiros em relação ao tempo de espera pelas bagagens.

Podem aceder aqui à lista completa de episódios do Podcast. O Podcast do Poupar melhor está também no iTunes

Play

Taxi no aeroporto de Lisboa

Taxis no aeroporto Lisboa (foto retirada daqui)

Taxis no aeroporto Lisboa (foto retirada daqui)

A última vez que cheguei ao aeroporto da Portela, e tive que apanhar um taxi, nem queria acreditar: a fila de espera dava várias voltas e era a perder de vista! Ao ritmo a que escoava, provavelmente daria para uma hora de espera…

Aí apercebi-me que talvez tivesse sido má ideia não deixar o carro estacionado num parque da ANA, mas apenas os parques mais caros estavam disponíveis na altura, pelo que também descaratara essa hipótese.

A minha esposa salvou o dia: sugeriu que utilizassemos os taxis da zona de partidas. Na verdade, pensava que tal não era possível, mas resolvemos experimentar.

Na zona de partidas, foi chegar, entrar num taxi e partir! Nem queria acreditar… Tal foi o meu espanto que perguntei ao taxista se aquilo era uma praça de taxi a sério? Sim, foi a resposta do taxista, provavelmente surpreendido com a minha pergunta.

Posteriormente, descobri na Internet que é um expediente de conhecedores e passageiros frequentes. Se a isso somarmos o truque das tarifas dos taxis, que utilizei também nesse dia, pois o taxista tentava-me convencer novamente das virtudes da CRIL, poupamos muito tempo e dinheiro nesse dia!!!

Vantagens do azeite

Piada de azeite, para ingleses...

Piada de azeite, para ingleses…

Há notícias que só o são lá fora. Um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, tem como autores principais vários investigadores portugueses, nomeadamente do ITQB e da Universidade de Lisboa. O estudo refere as vantagens do consumo de 20 ml diário de azeite no impacto em doenças coronárias, ou outras, como o diabetes.

A notícia está a ter uma grande divulgação, lá fora. Cá dentro, a única referência que encontrei foi neste site. Talvez aconteça porque é realmente uma boa notícia, e porque relata os feitos de investigadores portugueses, e é promovido por uma empresa portuguesa

Uma descrição mais completa do estudo pode ser observado nesta página da Universidade de Glasgow. Vemos que a conclusão é especialmente para pessoas que tipiciamente não estejam associadas à dieta Mediterrânica. Eu, um grande adepto de ensopar azeite no pão, fico feliz com estas conclusões. Mas ainda mais feliz por ver que investigadores Portugueses estão a fazer investigação de topo a nível global, e que uma empresa portuguesa continua a dar cartas num mercado com fortes possibilidades de expansão, num produto que poucos mais países do Mundo têm!

Compilar o Servidor Minecraft MCServer no Raspberry Pi

MCserver

MCserver

Cá em casa o Raspberry Pi (RPi) está sempre ligado para servir os seus vários propósitos. Isso levou-me a pensar numa forma de usar o RPi para manter um servidor de Minecraft. A ideia já não era nova. Já tinha pensado nela quando jogávamos Minecraft PE.

Encontrei na internet quem já se tivesse entretido com isto, e melhor. Alguém tinha preparado um servidor Minecraft totalmente em C++. A diferença entre o C++ e o Java é essencialmente que enquanto o primeiro foi feito para ser escrito uma vez e compilado em qualquer plataforma, o segundo foi feito para ser altamente portátil e poder correr em qualquer máquina. A grande vantagem de compilarmos na máquina em que vamos executar é que podemos obter ganhos de performance uma vez que o código é otimizado.

Tendo a performance como objetivo, pareceu-me que a opção de compilar o meu executável do C++ no RPi poderia valer a pena.

As instruções de compilação do MCserver no site são simples:

  1. Abrir um terminal para o vosso RPi (ssh ip-do-rpi);
  2. Autenticarem-se;
  3. Instalar as ferramentas de obtenção e compilação do código: sudo apt-get install clang git cmake build-essential;
  4. Obter o código da última versão:
    1. git clone https://github.com/mc-server/MCServer.git
      git submodule init
      git submodule update
  5. Preparar os ficheiros e compilar o servidor:
    1. cmake . -DCMAKE_BUILD_TYPE=RELEASE
      make .

No site as instruções dizem-nos para gerar os compilados com a opção -j 2 ao make, mas na minha experiência não acontecia nada com este argumento. O argumento j indica quantas tarefas podem ser feitas de cada vez, o que no caso do RPi parece ser apenas 1, tornando o argumento desnecessário.

No site do MCserver avisa que o processo de compilação no RPi vai demorar muito tempo, o que é verdade. No meu caso o RPi demorou mais de meia hora para atingir os 50% do processo de compilação. Passadas 2 horas e 51 minutos havia um executável pronto a testar no diretório MCserver.

O sistema aparenta funcionar como um servidor normal. Depois de arrancar cria as pastas que não encontrou e inicia um mundo com uma configuração por defeito. A documentação sobre a configuração pode ser encontrada numa Wiki e há também um forum para quem desenvolve.

Depois de lançar o servidor é disponibilizada uma página para administração no port :8080 do endereço do servidor. Aqui vão poder configurar as permissões dos visitantes ou iniciar modificações ao jogo, tal como fariam com um mod/plugin de Minecraft.

Para juntar os camaradas de aventura só têm de lhes dar o endereço do servidor, mas até que tenha sido feita uma verificação de segurança, não aconselho a disponibilizarem o servidor na Internet, isto é, a outras pessoas que estejam fora da vossa rede doméstica.

Culturas agrícolas mais rentáveis

Em mais um infográfico bem interessante, o site Information is Beautiful produziu um infográfico sobre as culturas agrícolas mais rentáveis no planeta.

Como é possível ver abaixo, podemos ver as culturas mais plantadas, as mais fecundas, as mais populares e as que mais rendem aos agricultores. Os cereais são claramente os mais plantados em termos de área, enquanto a cana de açúcar é o mais produtivo, medido em toneladas por km2. A cana de açúcar é a mais produzida em termos de toneladas, sendo particularmente relevante no domínio dos biocombustíveis.

Todavia, em termos lucrativos, a vantagem é para as culturas proibidas e ligadas aos estupefacientes, embora algumas também sejam cultivados para efeitos medicinais. Mas, o que mais me surpreendeu, foi a importância da cultura do tomate em várias das vertentes analisadas.

Crops

Minecraft server no Raspberry Pi

MC-Server - Servidor Minecraft em C++

MC-Server – Servidor Minecraft em C++

Isto vai de mal a pior. Já não jogo ao Minecraft com os miúdos, mas dedico-me a ler como fazer para lhes manter um servidor sempre ligado onde possam ter as suas aventuras e talvez um dia me juntarei, como fazia com o Minecraft PE.

O A.Sousa já me tinha contado como o Minecraft usava os recursos de forma pouco inteligente. Partindo do principio que esses recursos eram em parte consumidos para gerir o mundo onde as aventuras aconteciam, retirar o peso ao computador de gerir esse mundo seria a uma das formas de partilhar uma parte da carga com outra máquina.

O Raspberry Pi tem uma versão reduzida de Minecraft. Infelizmente esta versão não é compatível com as versões que correm nos computadores das crianças.

Procurando na internet, foi possível descobrir como correr o jogo como servidor. No How to geek podem ver como montar um RPi dedicado para o Minecraft, mas implica colocar o RPi em overclock, uma técnica que permite acelerar a velocidade de processamento, mas pode levar a que o sistema danifique o cartão de dados onde correm o sistema operativo.

De acordo com as instruções, vão ter de instalar o Java no RPi. Se como têm o vosso RPi a fazer de centro multimédia, servidor de ficheiros e TimeCapsule, a perspetiva de ter de fazer overclocking e ainda por cima juntar-lhe o Java não é nada animadora.

Encontrei uma solução que passa por instalar o MCServe, uma versão do servidor de minecraft em C++. A grande diferença entre ser Java ou C++ é que o Java pode ser corrido em qualquer máquina ou configuração, o que não pode ser tão otimizado, enquanto o C++ é suposto depois de escrever para uma máquina poder ser compilado em qualquer outra máquina, com algumas restrições. Também é dito que, compilando o C++ na própria máquina, o resultado pode chegar a otimizações de quase o dobro da eficiência, logo, mais rápido.

O MCServer é fácil de instalar, mas exige alguns conhecimentos de instalação e configuração de sistemas Linux. A minha tentativa foi feita obtendo a versão mais recente e compilando-a. Neste momento ainda corre no RPi ao lado do XBMC, da partilha de ficheiros e do TimeCapsule, mas as crianças reportam que há vezes que caem para o fundo do mundo e morrem e outras em que têm dificuldade em colocar blocos na construção se não moverem o boneco.