Como preparar a fruta

O vídeo acima tem um conjunto de dicas de como preparar fruta. Como seguidor habitual do Boing Boing fico sempre feliz quando os vejo preocupados com os mesmos temas que o PouparMelhor. Neste caso, o site apontava para um vídeo que propõem ter “A maneira correta de preparar fruta”.

Limpar a biblioteca do iPhoto

iPhoto Galery

iPhoto Galery

Cá em casa deixámos de ter fotografias em papel há muito tempo. Noutros tempos a gestão de fotos era feita com o Picasa da Google, mas desde que voltei para o MacBook Pro que me deixei disso.

A Apple oferece com os computadores novos uma aplicação chamada iPhoto que serve só para gerirmos fotos e filmes de família. O sistema ocupa-me neste momento mais de 60 gigabytes e tornou-se um problema de gerir. Por causa disto já tive de alterar o meu Raspbmc para servir de NAS (Network-Attached Storage) e garantir que tinha espaço para tamanha enormidade em fotos.

Agora era necessário gerir este repositório. Uma pesquisa pela web permitiu-me encontrar alguns resultados de como limpar a minha biblioteca de iPhoto.

O primeiro grupo de resultados apontava para a possibilidade de limpar duplicados, mas esse era pouco interessante. A minha prática é limpar duplicados ainda no momento de importação das fotos para o sistema. O problema tinha de ser resolvido de outra maneira e pareceu-me pouco prático andar a rever das 15 mil fotos as que queria manter. Algumas delas eram ainda do tempo em que 640 pixeis era muito, o que me pareceu pouco para tanto espaço.

Encontrei na web uma aplicação que dizia que limpava as fotos originais do iPhoto. Isto sim pareceu-me interessante. Não sendo eu fotografo profissional, depois de limpar os olhos vermelhos das fotos, pouco ou nenhum uso tenho para os originais. O problema com estas aplicações é que não reconhecem a biblioteca do iPhoto no NAS. O file system não tem os atributos do sistema proprietário da Apple e por isso não entendem que estão perante o mesmo conteúdo.

Procurei outra solução e encontrei um scritpt que escrevia a palavra “duplicate” nas fotos consideradas duplicadas. A ideia era selecionar as fotos que queria comparar e executar o script e foi o que fiz… em mais de 14 mil fotos da família. E demorou… Enquanto executou dei-me ao trabalho de ir ler os comentários. Entre os habituais mal agradecidos, género de troll da internet, existiam os que sugeriam melhorias e os que as apresentaram com derivações e outras funcionalidades como apagar um dos duplicados.

Pessoalmente prefiro ver para crer antes de remover. Por essa razão o script ficou a correr o tempo que quis. Azar dos azares, o script falhou. O iPhoto pediu para reparar a biblioteca e a única coisa que me lembrava era “Ainda bem que tenho um backup disto tudo.”. No final tinha um conjunto de fotos com o comentário a dizer que eram duplicados, mas só me mostrava uma das fotos e por essa razão não podia dizer se era ou não duplicado.

Como tenho a biblioteca do iPhoto no NAS não me safei com as outras aplicações. Por isso fui buscar a biblioteca para um disco externo ligado por USB e usei aí a aplicação gratuita Duplicate Cleaner for iPhoto que pode ser obtida na App Store da Apple.

60 giga depois e muito tempo de espera, a aplicação lá se propôs limpar-me uns míseros 70 mega. Foi isto. Mais um processo falhado.

Para a próxima tento um script para Apple Automator que vai às fotos e as reduz a dimensões próprias para ecrã. Está opção é bem capaz de me poupar mais espaço. A redução não me trás qualquer problema porque não tenciono imprimir nenhuma das fotos.

Previsão de marés

Quando estou de férias na praia, um dos aspectos a que dou bastante importância é à previsão das marés. Uns gostam mais dela alta, eu prefiro a maré baixa, e há os que gostam dela a subir e outros a baixar. A seguir, enuncio algumas das páginas que vou habitualmente consultando.

Em Portugal, o Instituto Hidrográfico tem uma página dedicada à previsão das marés, para vários locais da costa portuguesa e ilhas. Tem também tabelas de marés a longo prazo, bem como documentação de leitura particularmente interessante, como é o exemplo deste documento. A previsão de ontem para Faro era a seguinte:

Previsão do Instituto Hidrográfico

Previsão do Instituto Hidrográfico

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa tem também uma página dedicada ao tema. Tem também previsões para vários portos do País, em vários formatos, mas o que eu gosto particularmente de ver são as previsões para o mês completo. No exemplo abaixo, podemos ver qual era a previsão para Faro, para este mês de Agosto:

Previsão Universidade Lisboa para Agosto 2014

Previsão Universidade Lisboa para Agosto 2014

Finalmente, utilizo também um site que recolhe em tempo real os valores do nível do mar um pouco por todo o Mundo, mas com apenas três locais em Portugal Continental e Ilhas. Só é possível ver dados portanto no passado, sem previsões, mas ainda assim um recurso interessante. No exemplo abaixo, podemos ver a evolução no nível do mar em Lagos, durante os últimos sete dias, registado no dia de ontem, quando elaborei o artigo:

Nível do mar em Lagos

Nível do mar em Lagos

Enviar videos do Firefox para o XBMC

Send to XBMC

Send to XBMC

Se querem utilizar o vosso XBMC em todo o seu esplendor têm de ter esta facilidade de enviar vídeos do Youtube para o XBMC.  O Add On permite partilhar com a família aquilo que estão a ver no Firefox do vosso computador, mas principalmente o que estão a ver no Youtube:

Querem ver um vídeo do pai a cortar-se enquanto faz a barba?

O Youtube é uma das origens dos vídeos mais comum hoje em dia. O envio é feito do browser com o Add on Send to XBMC. Após instalarem o Add on só têm de dizer qual é o IP do vosso XBMC e têm vídeos do Youtube a correr diretamente no XBMC. Se ainda não tiverem o Add On do Youtube instalado, será sugerido que o façam.

Porque é que isto é importante? Essa é fácil. Experimentem procurar um vídeo no Add on do Youtube usando o comando remoto da televisão e descobrem a quantidade de tempo que perdem.

Mais detalhe sobre a temperatura da água do mar

Os Portugueses têm razões de queixas sobre a temperatura da água do mar. É um tema que tem estado nas notícias, porque ela tem estado mesmo muito fria neste mês de agosto. O problema nem está na variação, que é normal entre anos, mas na percepção criada nas pessoas, de que pelo menos o Aquecimento Global deveria trazer águas mais quentinhas, e não características da Idade do Gelo…

O tema da temperatura da água do mar tem sido referenciado várias vezes no Poupar Melhor. Num primeiro artigo referenciamos o mapa da AEMET, o Instituto de Meteorologia Espanhol. Também já referenciamos os dados que o Instituo Hidrográfico disponibiliza sobre as bóias ondógrafo, e que têm sido muito citadas nos Media nos últimos dias. Finalmente, este ano, o IPMA passou a disponibilizar dados semelhantes ao AEMET nesta página.

Todavia, agora descobri que o IPMA têm mapas com simulações mais detalhadas sobre as várias zonas do litoral português, e também ilhas. Nestes mapas já se consegue ver as temperaturas, para além das cores:

Enfim, os mapas mostram algum aquecimento das águas, como é visível abaixo, mas para nós ficará um ano em que, quem foi à praia, ficou mais com a ideia de que vem aí um Arrefecimento Global…

Previsão anterior para esta hora...

Previsão anterior para esta hora…

#PL118 é uma lei da cópia privada

Esta conversa da pirataria sobre a lei da cópia privada é uma mentira pegada. A lei não fala em pirataria, mas em cópia privada, algo mesmo muito diferente. Assim, não tem por objetivo compensar ninguém da pirataria, mas atribuir direitos a empresas sobre algo que está no meu espaço pessoal.

Na realidade o que vamos passar a pagar é o direito de fazermos, por exemplo, o backup dos nossos CD ou converter os DVD para ver num Home Theater PC, algo que dá muito jeito quando estamos doentes. E pouco lhes interessa se o disco é usado para fotos de família uma vez que, potencialmente podemos usá-lo para guardar conteúdos com direitos. Se não o fazemos é problema nosso.

O objetivo é receberem de cada vez que mudamos o meio em que experimentamos o conteúdo. Se isto é para suportar a criatividade, quanto calharia aos autores do PouparMelhor que já ultrapassámos os 1000 posts e os 100 episódios do Podcast? Nada. Zero. Ziltch. Niente.  Para recebermos alguma coisa teríamos de ser membros de uma associação monopolista de direitos de autor.

Isto é uma lei que cobra aos cidadãos da república pela possibilidade de efetuarmos um ato, quer o façamos, quer não.

“Um senhor vai a um restaurante com a esposa e no fim a conta trás o Cover. O senhor diz: mas eu não comi o cover.

O empregado responde: não comeu comesse. Estava na mesa. Podia ter comido.
O senhor manda chamar o patrão, que vem com a mesma conversa: Ah e tal, não comeu comesse. Estava na mesa.

Chateado com a situação o senhor decide pagar só o cover. O patrão e empregado argumentam: O senhor não pagou a refeição. Falta aqui muito dinheiro.

Olhando para os dois muito calmo, o senhor respondeu: a minha mulher estava aqui. Não comeu, comesse.”

Já não seria a primeira vez que veríamos as empresas de direitos a cobrarem-se de quebras de venda potenciais em tribunal, mas agora teremos empresas a cobrarem-se do potencial de uso. Isto é um negócio só suportável pelo poder político. Tratam-se de rendas em que quem as recebe nada irá contribuir para a criação de bens transacionáveis, daqueles que tanto se fala que tanto jeito davam para melhorar a economia nacional.

Quando se premeia a cobrança de rendas sobre improdutividade e essa renda só são cobráveis aos cidadãos do nosso próprio pais, não estamos a melhorar qualquer balança, mas a transferir rendimentos de um lado para o outro. Quando se premeia com rendimentos quem não produz bens transacionáveis, estamos a incentivar o oposto do que necessitamos.