Google Contributor

Google Contributor

Google Contributor

Google volta a inovar naquilo que é a tentativa de manter os nossos sites preferidos online sem publicidade: O Google Contributor.

Já tínhamos ganho bastante com os resultados de pesquisa do Google que não dependem da nossa capacidade de pagar, mas do qualidade dos nossos conteúdos, conforme classificação recolhida dos links para esses conteúdos. Já tínhamos aqui no Poupar Melhor juntado o Ad Sense para sustentar os custos do nosso site. Agora podemos vir a ter uma forma de receber o dinheiro como um pagamento mensal. Os interessados podem escolher pagar um valor fixo mensal, que pode ser entre 1€ e 3€ e depois esse dinheiro é partilhado pela Google com o site da nossa escolha.

Isto parece-me um bom começo para termos mais conteúdo de qualidade durante mais tempo. A informação ainda é pouca, mas se for mesmo como dizem, podemos vir a aderir e assim abdicar dos anúncios que colocámos no nosso site.

Às voltas no aeroporto de Lisboa

Da última vez que cheguei ao aeroporto de Lisboa, para além da história dos taxis, dei-me conta que algumas coisas mudaram, para muito pior.

A mais significativa é o local onde os passageiros agora são despejados, aqueles que são levados de autocarro a partir do avião. Quando o autocarro não parou no local habitual anterior, fiquei a pensar no que estaria a acontecer. Para minha grande surpresa, fomos levados para o topo norte do terminal principal do aeroporto da Portela. Para começar, foi subir as escadas com as malas, pois a escada rolante estava avariada. Mas foi só quando percorria depois o espaço das lojas comerciais, todas fechadas naquela altura, que percebi imediatamente o esquema.

Quer dizer, na verdade na altura não me dei conta que podem haver vários esquemas envolvidos. Para além de tentarem dinamizar as lojas, provavelmente para justificarem um posterior aumento da renda, porque tem mais passageiros a passar por lá, se calhar há outras motivações.

Um exemplo é o dado pelo aeroporto de Houston, que fez um grande esforço para reduzir o tempo de espera de bagagens. Ainda assim, as queixas dos passageiros era muito elevada. Quando perceberam bem o problema, que para eles era os passageiros chegarem demasiado depressa à zona de bagagens, obrigaram-nos a fazer um percurso seis vezes superior!

Lendo uma entrevista deste ano de Jorge Ponce Leão, até se percebe que o objetivo passado para a opinião pública seja distinto:

  • Um aeroporto não é um centro comercial. Antes de ter consumidores é fundamental ter passageiros, sem os quais não teremos consumidores.

A leitura do resto da entrevista dá mais sinais contraditórios. O Presidente da ANA fala no “conforto do passageiro” e na “redução dos gazes com efeito de estufa“, mas na prática esta medida de obrigar os autocarros a dar uma volta maior e obrigar os passageiros a fazer longas caminhadas, tem efeitos exactamente opostos!

Se multiplicarmos o tempo que cada passageiro perde nesta caminhada, pelos milhões de passageiros que ali passam por ano, logo percebemos no desperdício colectivo que constitui. Mas, como o artigo do New York Times refere, é tudo uma questão de percepção…

121º táxi: o do truque para apanhar táxi nas partidas e da volta das chegadas à saída do aeroporto de Lisboa

Podcast do Poupar Melhor

Esta semana divertimos-nos com um segredo que sempre soubemos e nunca nos tínhamos lembrado de publicar. Discutimos também a forma como o Aeroporto tinha mudado os cais de desembarque dos autocarros de transporte de passageiros no que parece ser uma manobra para alterar a percepção destes passageiros em relação ao tempo de espera pelas bagagens.

Podem aceder aqui à lista completa de episódios do Podcast. O Podcast do Poupar melhor está também no iTunes

Play

Taxi no aeroporto de Lisboa

Taxis no aeroporto Lisboa (foto retirada daqui)

Taxis no aeroporto Lisboa (foto retirada daqui)

A última vez que cheguei ao aeroporto da Portela, e tive que apanhar um taxi, nem queria acreditar: a fila de espera dava várias voltas e era a perder de vista! Ao ritmo a que escoava, provavelmente daria para uma hora de espera…

Aí apercebi-me que talvez tivesse sido má ideia não deixar o carro estacionado num parque da ANA, mas apenas os parques mais caros estavam disponíveis na altura, pelo que também descaratara essa hipótese.

A minha esposa salvou o dia: sugeriu que utilizassemos os taxis da zona de partidas. Na verdade, pensava que tal não era possível, mas resolvemos experimentar.

Na zona de partidas, foi chegar, entrar num taxi e partir! Nem queria acreditar… Tal foi o meu espanto que perguntei ao taxista se aquilo era uma praça de taxi a sério? Sim, foi a resposta do taxista, provavelmente surpreendido com a minha pergunta.

Posteriormente, descobri na Internet que é um expediente de conhecedores e passageiros frequentes. Se a isso somarmos o truque das tarifas dos taxis, que utilizei também nesse dia, pois o taxista tentava-me convencer novamente das virtudes da CRIL, poupamos muito tempo e dinheiro nesse dia!!!

Vantagens do azeite

Piada de azeite, para ingleses...

Piada de azeite, para ingleses…

Há notícias que só o são lá fora. Um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, tem como autores principais vários investigadores portugueses, nomeadamente do ITQB e da Universidade de Lisboa. O estudo refere as vantagens do consumo de 20 ml diário de azeite no impacto em doenças coronárias, ou outras, como o diabetes.

A notícia está a ter uma grande divulgação, lá fora. Cá dentro, a única referência que encontrei foi neste site. Talvez aconteça porque é realmente uma boa notícia, e porque relata os feitos de investigadores portugueses, e é promovido por uma empresa portuguesa

Uma descrição mais completa do estudo pode ser observado nesta página da Universidade de Glasgow. Vemos que a conclusão é especialmente para pessoas que tipiciamente não estejam associadas à dieta Mediterrânica. Eu, um grande adepto de ensopar azeite no pão, fico feliz com estas conclusões. Mas ainda mais feliz por ver que investigadores Portugueses estão a fazer investigação de topo a nível global, e que uma empresa portuguesa continua a dar cartas num mercado com fortes possibilidades de expansão, num produto que poucos mais países do Mundo têm!

Compilar o Servidor Minecraft MCServer no Raspberry Pi

MCserver

MCserver

Cá em casa o Raspberry Pi (RPi) está sempre ligado para servir os seus vários propósitos. Isso levou-me a pensar numa forma de usar o RPi para manter um servidor de Minecraft. A ideia já não era nova. Já tinha pensado nela quando jogávamos Minecraft PE.

Encontrei na internet quem já se tivesse entretido com isto, e melhor. Alguém tinha preparado um servidor Minecraft totalmente em C++. A diferença entre o C++ e o Java é essencialmente que enquanto o primeiro foi feito para ser escrito uma vez e compilado em qualquer plataforma, o segundo foi feito para ser altamente portátil e poder correr em qualquer máquina. A grande vantagem de compilarmos na máquina em que vamos executar é que podemos obter ganhos de performance uma vez que o código é otimizado.

Tendo a performance como objetivo, pareceu-me que a opção de compilar o meu executável do C++ no RPi poderia valer a pena.

As instruções de compilação do MCserver no site são simples:

  1. Abrir um terminal para o vosso RPi (ssh ip-do-rpi);
  2. Autenticarem-se;
  3. Instalar as ferramentas de obtenção e compilação do código: sudo apt-get install clang git cmake build-essential;
  4. Obter o código da última versão:
    1. git clone https://github.com/mc-server/MCServer.git
      git submodule init
      git submodule update
  5. Preparar os ficheiros e compilar o servidor:
    1. cmake . -DCMAKE_BUILD_TYPE=RELEASE
      make .

No site as instruções dizem-nos para gerar os compilados com a opção -j 2 ao make, mas na minha experiência não acontecia nada com este argumento. O argumento j indica quantas tarefas podem ser feitas de cada vez, o que no caso do RPi parece ser apenas 1, tornando o argumento desnecessário.

No site do MCserver avisa que o processo de compilação no RPi vai demorar muito tempo, o que é verdade. No meu caso o RPi demorou mais de meia hora para atingir os 50% do processo de compilação. Passadas 2 horas e 51 minutos havia um executável pronto a testar no diretório MCserver.

O sistema aparenta funcionar como um servidor normal. Depois de arrancar cria as pastas que não encontrou e inicia um mundo com uma configuração por defeito. A documentação sobre a configuração pode ser encontrada numa Wiki e há também um forum para quem desenvolve.

Depois de lançar o servidor é disponibilizada uma página para administração no port :8080 do endereço do servidor. Aqui vão poder configurar as permissões dos visitantes ou iniciar modificações ao jogo, tal como fariam com um mod/plugin de Minecraft.

Para juntar os camaradas de aventura só têm de lhes dar o endereço do servidor, mas até que tenha sido feita uma verificação de segurança, não aconselho a disponibilizarem o servidor na Internet, isto é, a outras pessoas que estejam fora da vossa rede doméstica.