Poupar em lâminas de barbear

Num artigo anterior, abordou-se a questão do custo de lâminas de barbear. Independentemente da marca, sejam Gillette, ou outra qualquer, há todavia outra forma importante de poupar em lâminas, e que consiste em preservar a sua qualidade de corte, durante o máximo de tempo possível.

Uma das teorias mais divulgadas sobre a longevidade das lâminas para barbear diz que a diminuição da qualidade do corte está relacionado com a oxidação das lâminas, para além obviamente da quantidade de utilização. As marcas obviamente não estão interessadas em divulgar estes truques, mas algumas experiências parecem demonstrá-lo.

Ao longo dos anos tenho feito um esforço para aplicar técnicas de secagem das minhas lâminas. Devo começar por referir que as minhas lâminas, do tipo Gillette Mach 3, de marca branca, duram meses e meses cada uma. A minha técnica é simples: depois de enxaguar as lâminas, sacudo-as com força várias vezes, à semelhança desta dica para limpar as mãos. Curiosamente, não tenho por hábito secá-las na toalha como alguns recomendam. Prefiro deixá-las a secar, com as pontas das lâminas viradas para cima. A minha teoria é que elas viradas para baixo (hão-de reparar que a maior parte dos suportes incentivam essa prática; porque será?), seja na horizontal, seja na vertical, acabam sempre por receber a humidade que discorre do interior das lâminas, impossível de secar por meios convencionais. E pior: essa humidade concentra-se na ponta das lâminas, onde o impacto da oxidação é certamente maior!

Formas não convencionais de secar as lâminas incluem a utilização de secadores de cabelo, da referida secagem numa toalha, imersão em alcool ou vinagre, ou mesmo a sua colocação em locais com menos humidade que as casas de banho. Da minha perspectiva, não faz sentido está a poupar em lâminas, para gastar o mesmo ou mais em electricidade ou outros produtos… Com os vários meses que as minhas me duram, com esta prática simples, já me dou por muito satisfeito!

Tags:

{ 6 comments to read ... please submit one more! }

  1. “Com os vários meses que as minhas me duram, com esta prática simples, já me dou por muito satisfeito!”

    Efectivamente num mundo globalizado onde grande parte das pessoas compra Gillette ou Schick pensa-se que nada mais existe “lá fora” ou outros possíveis caminhos numa coisa tão simples quanto o barbear…Mas há, felizmente, um núcleo de homens e mulheres que levou a poupança (e a satisfação) deste acto ainda mais longe.

    Como é isto possivel?! Muito facilmente:basta fazer um downgrade na quantidade das laminas a passarem no rosto ou uma só basta. Para quê comprar recargas quando existem no mercado as boas velhinas lâminas rectangulares de duplo fio, ditas DE ou Double Edge. Essas mesmas, as do avô Joaquim, com uma abertura central para encaixar na máquina.

    Mas sei o que estarão a pensar…”Mas não sangramos até à morte com essas?Não ficamos como o Freddie lá da Elm Street?” Pois lá está, não.E um rotundo não! Naturalmente, e infere-se da lógica infantil: se uma me corta todo/irrita-me muito, 5 irritarão 5 x menos? Um boa DE é das coisas mais suaves que pode existir! Falamos de packs de 5 ou 10 lâminas por valores tão baixos quanto € 1.50 e lâminas que podem durar 7, 8 ou mais barbas.

    Mais barato ainda? Naturalmente existe: a boa navalha de pá, essa mesma de passar na tira de couro, dito assentador, antes de cada barba matinal. Com uma curva de aprendizagem ligeiramente mais longa do que as máquinas (ditas Safety Razors onde assentam as DE e fabricadas actualmente) mais barato não pode haver.

    Uma boa navalha começa a partir dos € 65/70, dura uma vida e ainda fica para contar a história. Sim, a navalha+ 1 assentador tem um investimento “mais elevado” de inicio, mas dividam ese valor por todos os dias da vossa vida e verão quanto pouparam…

    Assim com tudo isto, é possível levar muito mais longe o conceito “poupar” no barbear.

    Junte-se ainda o bom sabão duro de barbear ou o creme por tuta e meia, de resultados superiores aos “enlatados” e a durar 6 ou mais meses (sim também é possivel poupar nas espumas…) e temos a receita vencedora.

    Para fazer tudo bem, e acabar de vez com as dúvidas, acrescente-se o ainda belo pincel de cerda ou texugo (a partir de €13 um bom cerda…) capaz de durar 20 anos sem problemas, que em caminho esfolia na perfeição e amolece verdadeiramente o pêlo. Quem faz melhor?! ;-)

    Se me permitem a sugestão, e nestes tempos de “troika”, poderão ler acerca de tudo isto no forum PT desta Mui Fina Arte em

    http://www.barbearclassico.com

    [Eventual sugestão de artigos em

    http://www.theshavebutler.com]

    Um nota final: gostei da reportagem na SIC e que me trouxe cá…Bem-hajam [un cent’ ao abrir o frigorifico? Diacho… :-( ]

  2. Um excelente comentário! Eu com navalha nunca cortei, e com duplo fio só raramente. Iremos dar destaque a algumas das ideias que transmite.

  3. Ainda tenho uma máquina para Double Edge. Acho que vou experimentar e depois conto.

  4. Tendo deixado de usar multi-lâminas do tipo Mach3 há alguns meses, também devido ao preço das regargas, e passado a usar Safety Razor junto com lâminas DE, pincel, creme ou sabão de barbear, posso dizer que não há comparação possível. É um barbear que exige alguma aprendizagem mas que depois em custos, conforto, barbear apurado, etc, não há nada melhor. Vale a pena experimentar.

  5. Deixei de usar gillette.. Já era demais o tombo. Escolhi a navalha do pack clássico no Clube Barba Rija, bem mais barata que máquinas da gillette e muito mais barato me ficará no futuro (recebo as lâminas em casa com envio incluído e ainda para mais amostras de cremes de barbear etc..5*) já estou a apanhar o jeito da navalha, demora um bocadinho mas já está lá.

  6. Em vez de produtos para barbear usem zeite ou oleo de fritar e não haverá humidade na lamina. Descobri isso há sessenta anos por mero acaso

{ 0 Pingbacks/Trackbacks }

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *