Temperatura da água do mar

A temperatura da água do mar é um tema recorrente nesta altura do ano, sobretudo porque as queixas abundam… Da minha experiência no fim de semana passado, e do que vou ouvindo, a coisa está fria… Parece que é para repetir as temperaturas de há dois anos atrás

Neste artigo vamos deixar os apontadores que temos referenciado no passado, e onde podem ver com mais detalhe a evolução da temperatura da água do mar. A temperatura da água do mar em Portugal pode ser obtida a partir desta página do IPMA, e como podem ver esta previsão para amanhã, as águas frias abundam em toda a costa oeste portuguesa, sendo um pouco mais quentinhas no Algarve:

Temperatura água mar em Portugal

O Instituto Hidrográfico também disponibiliza informação sobre a temperatura da água do mar em algumas localizações da costa Portuguesa. O exemplo abaixo é relativo a Sines, e evidencia como no último mês a temperatura da água do mar tem estado como na Primavera, tendo afundado ainda mais nas últimas horas, para valores dignos do Inverno:

Temperatura água mar em Sines

Em termos da Península Ibérica, o site do AEMET providencia dados que abrangem não só a realidade Portuguesa, mas também toda a costa espanhola. Como podem ver, toda a zona em redor de Benidorm está uma autêntica “sopa”:

Temperatura água mar na Península Ibérica

Quem tem a possibilidade de se deslocar para o Mediterrâneo pode encontrar águas bem quentinhas em vários locais. No site da SOCIB podem encontrar um mapa de temperaturas para grande parte do Mediterrâneo. Para obter a temperatura verdadeira, há que fazer a conversao entre Kelvin e Celsius, ie. subtrair 273.15 para obter o valor da temperatura em graus Celsius. Ao largo da Tunisia estao cerca de 31ºC:

Temperatura água mar no mediterrâneo

Em termos mundiais, o site que referimos neste artigo, permite-nos ver a temperatura da água do mar no nosso planeta Terra. Só dá as temperaturas ao largo das praias, mas mesmo assim dá para perceber que as temperaturas mais quentinhas neste momento serão no Golfo Pérsico, superiores a 35ºC …

Temperatura água mar no planeta

História da Floresta Portuguesa

Muito se tem falado nas últimas semanas sobre a floresta portuguesa e os fogos que a afectam. Muita coisa se tem referido, mas falta claramente uma perspectiva histórica. Olhando por exemplo para a página da Floresta Portuguesa no Wikipedia, verifica-se que as referências históricas praticamente não existem!

Infelizmente, a memória hoje em dia é muito curta! Quando pergunto a qualquer pessoa como eram os montes há uma centena, duas centenas de anos, quase ninguém acerta! Há cem anos, a floresta em Portugal era diminuta. Os matos também não eram muitos. Por isso não ardiam os montes…

A história da floresta portuguesa é muito interessante, mas muito deprimente. Um dos documentos resumo mais interessantes é esta “Perspectiva Histórica sobre a Floresta Portuguesa e a sua Defesa contra Incêndios“. Apesar de ter mais de dez anos, dele retirei alguns extractos:

  • Em 1849, José Maria Grande registava o “arboricídio” das herdades vizinhas do Tejo, onde se cortava o azinho e sobro para carvão.
  • Em 1875, a área arborizada equivalia a 7% do território, com cerca de 670.000ha, compostos por 370.000ha de montados, 210.000ha de pinhais, 50.000ha de soutos e carvalhais.
  • de 1888 a 1938 teriam sido arborizados apenas 21082 ha (Mendonça 1961).
  • Em 1965, existiam cerca de 2.969.000 ha arborizados, correspondentes a 33% do território do Continente
  • De facto, é neste período que a área arborizada atinge o seu máximo, com uns expressivos 3.3 milhões ha. que se reconhecia serem em grande parte sub-lotados, de baixo valor económico, expostos a um risco extremo e com crescentes problemas fitossanitários (Inventário Florestal Nacional, 1995).

Há, na verdade, bastantes documentos sobre a floresta portuguesa na Internet, mas de uma forma geral, bastante datados. E difíceis de encontrar! De seguida fica uma lista, com um nome indicativo para cada um, para que cada um possa ter uma posição mais fundamentada na vertente histórica. Se souberem de mais alguns verdadeiramente interessantes e publicamente acessíveis, digam, para juntar à lista:

Partículas dos fogos florestais

Do mesmo site que referimos para o Mapa de Ventos, temos acesso a outras visualizações muito interessantes! Uma que nos diz particularmente respeito, novamente por estes dias, é a visualização das consequências dos fogos florestais.

Na imagem abaixo, podemos ver as partículas PM1 (partículas com menos de 1 µm), onde se evidenciam dois pontos na Europa. Um é facilmente associável aos fogos da nossa região Centro, enquanto o outro ponto “quente” no sul de França será respeitante aos fogos que por lá grassam também.

Partículas PM1 – 2017-07-27 07:00

A quantidade de gráficos que se pode gerar é muito significativa, podendo-se observar o significado das várias variáveis nesta página de ajuda. Abaixo deixo dois mais exemplos, um relativo a concentrações de dióxido de carbono e monóxido de carbono. O que deixa no ar uma pergunta interessante: quanto CO2 será emitido por estes fogos florestais?

Dióxido de Carbono – 2017-07-26 17:30

Monóxio de carbono – 2017-07-26 17:30

Calor dentro do carro

Todos sabemos que o interior dos carros atinge temperaturas muito elevadas nesta época do ano. Quer dizer, também acontece noutras alturas do ano, como relatamos aqui. E sabemos que as boas práticas podem contribuir para menorizar este problema.

Por estes dias vi um artigo já um pouco datado, mas que me surpreendeu. Em particular, um gráfico relativo às temperaturas atingidas num carro, com as janelas fechadas e ligeiramente abertas (quase 4 cm).

Partindo de uma temperatura interior de cerca de 32ºC, a temperatura sobe rapidamente, quer com a janela fechada, quer com a janela ligeiramente aberta. A temperatura supera os 55ºC em menos de uma hora, (no meu caso já superei estes valores) sendo que mesmo com a janela ligeiramente aberta, a temperatura alcança os mesmos valores que sem a janela aberta. Embora não seja uma conclusão esperada, o gráfico aparentemente revela o que os investigadores mediram, pelo que é preciso muito cuidado com o que se deixa dentro do carro, sejam crianças, animais de estimação ou mesmo outras coisas:

Temperaturas interior carro

Medidores de tensão pouco precisos?

Temos falado aqui várias vezes sobre a tensão arterial, nomeadamente como medir a tensão, como controlar a tensão e também como baixar a tensão.

Foi com alguma surpresa que li no outro dia que os medidores de tensão que temos em casa podem não ser tão precisos quanto isso. Nesse artigo, refere-se um artigo científico onde se constatou que alegadamente 70% dos medidores tinham uma diferença de 5 mmHg ou mais.

O artigo parece ser interessante, mas mereceu-me alguma desconfiança. Errar 5 mmHg não me parece nada de extraordinário, e inclusivé, eles rejeitaram medições quando dois médicos não conseguiam medições dentro de um intervalo de 4 mmHg. Então, queixam-se que 70% dos medidores se enganam, mas não dizem qual a taxa de erro dos médicos?

Uma pesquisa rápida pela Internet confirma que estas conclusões não devem ser aceites tão rapidamente. Este estudo evidencia os múltiplos factores que influenciam a medição da tensão. Este outro estudo de há uns anos atrás chegou a valores bem diferentes. E isto foi apenas um minuto de pesquisa no Google, com múltiplos outros links a falarem da incerteza das medições… Pois claro!

Duas filas únicas

Este fim de semana, quando andava à pressa nas compras no Continente, por entre a música que passavam, levei com uma voz que referenciava a existência de uma nova fila única, e que solicitava a nossa colaboração para tornar o serviço melhor. Qualquer coisa do género…

É preciso dizer que tinha desistido de escrever sobre esta aberração da Fila Única. Mas tive que fazer outra excepção. Depois do inacreditável que narrei neste artigo, atingi há uns meses novo recorde na análise: estavam 19 caixas abertas, enquanto cinco pessoas geriam a fila. Uma ineficiência aberrante, que poderia ser melhorada em mais de 25% (5/19)!

Pouco depois, quando circulava com o carrinho junto das caixas, descobri que a fila única não estava no local habitual. Mas quando olhei melhor, qual não foi o meu espanto quando descobri que agora existiam duas filas únicas??? Sim, únicas, mas duas delas. Tipo 2=1 …

Enfim, alguém no Continente deve ter descoberto finalmente a luz! Que a fila única não servia, pelo que inventou uma segunda. Aliás, só concebo a coisa assim, e que mudaram para melhor. Mas tudo é possível, como já se viu pelo exemplo do aeroporto.

Segundo a lógica simples, o responsável do Continente provavelmente reconhecerá o óbvio: que três filas únicas serão melhores que duas, e assim sucessivamente. Até que voltaremos a ter as filas todas, e pessoas a atender os clientes, em vez de gerirem filas…

Aliás, a estratégia anterior será a correcta uma vez que eles se tenham apercebido de quanto andaram a perder no últimos dois anos. Em vez de darem o braço a torcer, andam a camuflar o erro e a solução. Mas isso confirmaremos, ou não, nos próximos tempos…

Duas filas únicas