You are currently browsing the Poupar Melhor posts tagged: Combustíveis


Combustíveis em subida

Preço do combustível onde abasteço - por @alvaromferro

Preço do combustível onde abasteço – por @alvaromferro

E tal como a Primavera volta todos os anos, os combustíveis voltam a subir.

A imagem do post é obtida do meu controlo diário ao preço junto a casa onde abasteço.

Há uns dias que a gasolina e o gasóleo têm vindo a subir, mas a tendência é agora visível a olho nu.

Preço do gasóleo e gasolina na estação onde abasteço

Variação do gasóleo e gasolina 95 simples na estação onde abasteço

Variação do gasóleo e gasolina 95 simples na estação onde abasteço

O custo com energia, em concreto com combustíveis, é algo que não temos como evitar nas nossas vidas. Este preço tem um peso significativo no nosso orçamento doméstico e por isso não pode deixar de ser controlado.

Por esta razão, temos feito aqui vários posts sobre o preço dos combustíveis e também sobre o preço da energia.

Para controlar a variação dos custos de combustível, mantenho os dados dos preços de abastecimento. Durante algum tempo, mantive mesmo um controlo apertado do preço do combustível e do consumo da mota.

As variações momentâneas podem não ter grande influência. A uma variação para baixo pode  corresponder uma variação logo a seguir para cima e vice-versa.

Atualmente controlo apenas o preço na rotunda aonde me vou abastecer. Esses dados estão desenhados no gráfico que ilustra este texto.

Observando os valores no gráfico, podemos ver que o preço do combustível tem vindo a descer ao longo do mês de março, apresentando uma subida extemporânea da gasolina 95 simples. Só posso conjeturar que seja para aproveitar a aproximação do fim de semana.

Vamos aguardar e controlar.

 

Poupança combustível em função do peso

Num artigo anterior, referenciamos mais um item que contribui para o aumento do peso do carro. Na altura dei-me conta de que apesar de já termos referenciado o impacto do peso no consumo dos automóveis, ainda não nos havíamos referido a quanto é que é exactamente a poupança derivada de um veículo mais leve.

Obviamente, o peso é apenas mais um factor a contribuir para as contas do consumo. A dificuldade de equacionar o factor peso é visível na aparente ausência de estudos científicos que nos digam quanto é exactamente a poupança.

O Departamento de Energia dos EUA tem disponível um documento interessante, que nos dá várias pistas para equacionar o problema. São referenciados dois estudos, que abordaremos de seguida, e que referem que uma redução de 10% no peso de um carro leva a uma economia de consumo de cerca de 6.8%. Num desses estudos, verifica-se que também a aceleração é beneficiada, com os mesmos 10% de redução de peso a contribuirem para uma melhoria de 7% no tempo de aceleração dos 0 às 60 milhas por hora.

Um dos estudos referenciados no documento atrás é um estudo realizado por Ricardo Inc., de 2009. Os valores de poupança referidos no parágrafo anterior variam em função de determinados aspectos. Um dos que mais me chamou a atenção, foi o impacto da variação de peso no consumo, mas também em função da velocidade. Como se pode ver na imagem a seguir, a poupança conseguida com a diminuição de peso diminui à medida que aumenta a velocidade.

 

Melhoria de consumo diminui com aumento da velocidade

Melhoria de consumo diminui com aumento da velocidade

Tal é compreensível, porque o peso é mais importante no arranque, e porque a maior velocidade, a resistência ao ar começa a tornar-se bem mais significativa que a variação de peso.

Outro estudo interessante é esta tese de douturamento do MIT. Analisando o peso de automóveis entre 2006 e 2008, e o respectivo consumo, os autores obtém uma linha de tendência relativamente bem definida, e que estabelece que cada redução de 100 Kg corresponde a uma diminuição do consumo em cerca de 0.53 L/100Km:

Tendência

Tendência da evolução do consumo em função do peso

Os autores coligem ainda uma série de resultados de outros estudos. Está na página 30 do PDF:

Resultados de outros estudos

Resultados de outros estudos

Nas conclusões, os autores referem que em termos absolutos, cada 100 Kg de redução de peso corresponderão a uma redução de 0.39 L/100Km, para um carro de tamanho médio, a gasolina.

Extrapolando para o exemplo da água do limpa vidros, e considerando o valor anterior, temos então que os 6 litros serão 6% dos 100 Kg, pelo que a poupança será de 6% dos 0.39 L/100Km, ou seja 0.0234 L/100Km. Numa viagem de ida e volta ao Porto poupamos assim 6 x 0.0234 L = 0.1404 L. Ao preço da gasolina de cerca de 1.50 €/L, tal significa uma poupança de cerca de 21 cêntimos de euro…

Congestionamento de Petroleiros

De vez em quando vemos notícias que são absolutamente impensáveis. Esta foi retirada do ZeroHedge, e fala-nos sobre as filas congestionadas envolvendo petroleiros, nalguns mares do Planeta.

O mais surreal desta notícia, é que o congestionamento dos petroleiros não está só relacionado com um consumo excessivo de combustíveis fósseis em qualquer parte do Planeta, mas sim com jogadas económicas envolvendo o ouro negro.

Na notícia há uma primeira referência a esta notícia da Reuters, onde se dá conta do congestionamento de petroleiros à espera de ser abastecidos. Na verdade, esta é para mim uma notícia “normal”, mas é sempre interessante ver a imagem de cima:

Petroleiros grandes a fazer fila

Petroleiros grandes a fazer fila

Se isto parece normal, o que se segue é mais surreal. Seguindo os links providenciados, chega-se a um outro artigo, onde se dá conta que, depois de carregados, os petroleiros ficam semanas à espera de comprador! A fazer o quê? A congestionar o trânsito! O petroleiro em causa, o Distya Akula, tem todavia uma história mais interessante. Seguindo os links do Google, percebe-se que foi dos primeiros petroleiros a carregar petróleo do Irão depois do levantamento de sanções. Mas, pelos vistos, terá ficado parado várias semanas no estreito de Suez, à procura porventura de comprador?

Mas, há dias, a Reuters saiu-se com uma notícia ainda maior. A notícia volta a falar de petroleiros cheios de petróleo, sem saber muito bem o que fazer com ele. Petroleiros com 7.5 mil milhões de petróleo a preços correntes, que alinhados se estenderiam por quase 40 quilómetros. Fala-se de marinheiros atarefados a combater o tédio. A Reuters ilustra a notícia com uma foto muito interessante, embora datada:

São mais que muitos…

No meio disto tudo, há notícias com palavrões como contango. Tentar perceber o que significa dá direito a uma dor de cabeça. Tentar outra vez de forma mais simples só nos confunde ainda mais… Mas, que é giro ler estas notícias, é!

Camiões e gasóleo

Cada um de nós faz um esforço por abastecer o mais barato possível. O mesmo acontece certamente aos profissionais, e por isso foi sem surpresa que li a notícia de ontem, de que 8 em cada 10 camiões portugueses abastece em Espanha.

Nada que me surpreenda! Já o havíamos antecipado neste artigo… Apesar das tentativas inglórias dos pedidos Ministeriais, realmente são os camiões quem mais têm a ganhar com abastecer em Espanha, sobretudo aqueles que fazem deslocações internacionais.

Para tentar perceber quando pode um camião poupar entre abastacer em Espanha ou Portugal, tive que tentar descobrir primeiro quanto leva um depósito de um camião TIR. Há naturalmente para todos os gostos, mas vamos tomar o exemplo de 1000 litros, não esquecendo que alguns levam bem mais, ou poderem contar com depósitos adaptados.

Pegando nos dados disponibilizados neste artigo, rapidamente se verifica que um camionista ao passar de Badajoz para Portugal, pára antes da fronteira. Poupa 20 cêntimos por litro, o que quer dizer 200 euros a menos ao atestar. Dá umas voltinhas por Portugal, e ao voltar volta a atestar em solo de nuestros hermanos. Dá umas centenas de euros de impostos a Espanha, mas feliz, porque poupa outros tantos!

O mesmo se pode aplicar naturalmente a outros veículos, nomeadamente autocarros. Dados os seus consumos e depósitos, o potencial de poupança é também muito grande!

Por cá, os papalvos que pensam que estão a fazer uma grande coisa, estão a enterrar-nos colectivamente. E ainda têm a lata de lutar contra a espanholização. Eu, não estou com essa luta…

Políticos e Poupança

Já aqui relatamos no passado vários episódios infelizes, da relação entre Políticos e Poupança. Um dos primeiros exemplos foi a lamentação do ex Primeiro Ministro, porque os Portugueses estavam a poupar. Mas o actual também já deu o seu contributo, com os #ConselhosDoCosta… As calinadas dos responsáveios ministeriais também já foram muitas, mas a do anterior Ministro do Ambiente é de longe a mais evidente.

A mais recente é a do Ministro da Economia, que na sexta-feira afirmou “Muitos portugueses estão a pagar impostos em Espanha e é algo que temos que em primeiro lugar pedir aos portugueses que não façam“. Tudo a propósito da evidente tentação de abastecer em Espanha, tal a diferença de preços! Começam agora a surgir as evidentes conclusões que já relatavamos neste artigo, e que só um político cego era incapaz de ver.

O problema dos políticos de hoje é pensarem que continuamos todos estúpidos! Para além do combustível, temos mais exemplos. Então, se se pode voar de Ryanair para um aeroporto europeu e comprar uma qualquer tralha electrónica, e com isso pagar o bilhete, isso chama-se Lei da Cópia Privada. A migração de sucata velha da Alemanha, e outros países, vai contribuir para um parque automóvel mais velho, poluidor, inseguro, pois os incentivos impostos vão nesse sentido

Enfim, ainda não chegamos às aberrações venezuelanas, mas não estaremos longe! De ter carros novos mais baratos que os carros usados. De comprar bilhetes de avião, mas depois não aparecerem nos aeroportos. Por falar em aviões, contratarem várias dezenas de 747’s para entregar notas quase sem valor, notas essas que podem ter quatro taxas de câmbio distintas!!! E quando tiverem notas, só se pode ir às compras nos dois dias que nos são determinados por semana. Se não puderem ir às compras, sempre podem ser utilizadas como guardanapos, ou então como papel higiénico na sanita.

Parafraseando Scolari: e os burros, somos nós, senhor Ministro?