Emprego Público

Num dos primeiros artigos do Poupar Melhor, referenciei que uma das frases que mais me fascina na Gestão é “You cannot manage what you cannot measure“. Nestes dias de discussão do Orçamento, uma das coisas que mais me fascina é a discussão pública sem números. Como este ano optamos por não repetir o exercício do Orçamento de Estado de 2013, em que analisamos as Despesas e Receitas, prometi a mim mesmo que havia de apreender mais qualquer coisa, significativamente diferente.

Quando pensava que isso já não ia acontecer, tropecei na Síntese Estatística do Emprego Público, elaborado pela Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público. Aquilo que eu pensava que estava escondido a sete chaves, afinal existe, e surpreendentemente pronto a ser analisado em folhas de cálculo: múltiplos indicadores sobre o emprego público.

Os quadros abaixo são gráficos rapidamente elaborados a partir da mais recente folha de cálculo do DGAEP, relativos aos dados do segundo trimestre deste ano. Eles representam os seguintes indicadores, sendo que nos dois primeiros casos, registamos a distribuição percentual, enquanto no último se dá o valor médio das remunerações:

  • Emprego no sector das administrações públicas por subsector e ministérios/secretarias regionais
  • Emprego no sector das administrações públicas por cargo/carreira/grupo segundo o subsector
  • Remunerações de base e ganhos médios mensais nas administrações públicas por cargo, carreira e grupo segundo o subsector – trabalhadores a tempo completo

Como é habitual aqui no Poupar Melhor, os dados neste caso são apresentados em bruto. Cada um saberá certamente tirar as suas conclusões. Para mais detalhes, é só carregar a folha de cálculo!

Emprego por sector

Emprego por subsector e Ministérios

Cargo carreira grupo

Emprego por cargo/carreira/grupo

Remunerações

Remunerações base média mensal por cargo/carreira/grupo

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *